27 de jan de 2016

Sara - experiência de vida

Bom dia, gostaria de me apresentar. Meu nome é Sara. Na verdade, o meu nome de batismo é Sarai. Hoje me chamo Sara e dizem que o meu nome significa princesa.
Quero deixar bem claro que não foi numerologia e nem vontade própria essa mudança. Foi o próprio Deus que mudou o meu nome durante uma aliança que fez com o meu esposo Abraão. Que também não se chamava Abraão era Abrão.
Eu sei que parecerá confuso, mas tentarei contar um pouco da minha trajetória de vida, e sobre algo, na verdade um milagre, que aconteceu na minha vida.
          Desde pequena sempre desejei ter uma família com muitos filhos. Sonho de toda jovem! Na minha mente já tinha o nome de cada um e conseguia visualizar os seus rostinhos. Porém, o (especificar rosto, sonho ou nome) do meu futuro marido era sempre um mistério!
Meu pai, Tera, tinha muitas mulheres. Era tradição! Gostassem ou não, as mulheres tinham que aceitar essa situação. O relacionamento era agradável. Todos morávamos perto e crescíamos juntos.
          Fui crescendo e o patinho feio começou a se transformar em um belo cisne.
Comecei a perceber alguns olhares e meu pai também! Rapidamente, papai juntamente com a minha mãe começaram a procurar pretendentes para mim. As propostas começaram a chover. Meu pai sabiamente, me casou com um dos seus filhos.
Como eu disse anteriormente o nome dele era Abrão! Um homem carinhoso, perspicaz nos negócios e principalmente temente a Deus.
Nossa! Estava realizada. Meus sonhos iriam se concretizar. Tinha um marido, uma casa e não demoraria muito para ser mãe.
Mas logo no começo do meu casamento o meu sogro/pai. Abrindo um parênteses, meu pai tinha filhos com a minha mãe e com a mãe de Abrão. Entenderam?
          Meu sogro/pai decidiu viajar e nós fomos com ele. E nessa viagem ele faleceu.
Agora só tinha Abrão por mim!


Acho que Abrão gostou da ideia e também se tornou um viajante .Eu ficava bastante chateada, pois não tínhamos paradeiro. E o pior de tudo era que eu ainda ficava com a organização e o encaixotamento das nossas coisas.
O que eu não sabia era que essas viagens eram direcionadas por Deus. Sempre soube que Abrão era um servo fiel. Mas que Deus falava com ele direto- nunca! Mas depois de tantos aborrecimentos, ele me contou sobre o seu relacionamento com Deus. Parei de reclamar e fazia tudo que Abrão mandava.
A minha beleza às vezes incomodava algumas mulheres e atraia os olhares de alguns homens. Abrão sempre observava e me sinalizava. Mas eu, despreocupadamente, continuava a me cuidar com os produtos que tinha em mãos- leite, flores etc.
 Por duas situações o meu marido precisou mentir dizendo que eu era irmã dele.
Quando ele me pediu para mentir a primeira vez me senti tão desvalorizada e sem nenhuma importância na vida dele!
Mas o que eu poderia fazer? Nessas horas vinha o pensamento que ele fazia isso porque eu era estéril. Não tinha dado nenhum filho a ele! E com certeza não iria engravidar de ninguém. Deus tinha fechado a minha madre! Era o que eu mais ouvia o pessoal cochichando.
Mas Deus sempre conversava com Abrão. Em um desses momentos foi quando os nossos nomes foram mudados. E a estória que Abrão, isto é, agora se chamando Abraão me contou é que ele seria um pai de uma grande nação.
Fiquei pensando, ele pode até ser um pai de uma grande nação. Agora eu ser a mãe dessa nação. Seria missão impossível!
Na minha juventude tomei todos os chás e segui todas as orientações das senhoras do meu povoado para que eu pudesse engravidar. E nada!
Eu já estava envelhecendo, mas ainda era uma coroa enxuta! Se quando nova, com todos os hormônios em pleno funcionamento eu não engravidei, imagine agora na menopausa.
Foi aí que tive a infeliz ideia de oferecer uma das minhas concubinas para o meu marido. No começo ele veio fazendo charme dizendo que não precisava, mas prontamente aceitou. Não pensou duas vezes!
Tudo aquilo era a morte para mim! Eu achava que estava pagando por algum pecado. Eu nunca tinha resposta de Deus. Ele só falava com Abraão.
Logo Agar engravidou. Que felicidade! Só para ela e para Abraão. Imagina eu convivendo com tudo isso. Vendo a barriga dela crescer, os preparativos para o nascimento.Nossa, virei uma excelente atriz nesse período! Interpretei a pessoa mais solícita e abnegada daquele lugar.
Mas Abraão me conhecia. Brigávamos várias vezes. Ele dizia que eu tinha inventado aquilo e eu o acusava de ter gostado da situação.
Nesse período quis até que Agar morresse. Mas graças a Deus isso não aconteceu. Já pensou no meu remorso?!
Nasceu! Homem! Ismael. Parabéns Abraão, você será o pai de uma grande nação – dizia eu.
Durante esse  tempo, não sei se por preocupação ou por pena, Abraão tinha escondido uma parte da promessa que Deus fez a ele. “ Que eu seria mãe”.
Eu acho que Abraão também não acreditava nessa parte. Tanto que ele riu.
O tempo continuava a passar. Ismael crescendo e eu envelhecendo. No fundo do meu coração, já não imaginava ser mãe. Nem por adoção! Imagine em engravidar. Nunca!
Durante bastante tempo ouvíamos falar de confusões em outras localidades próximas, mas nada nos atingia. Continuávamos ricos!
Havia muito tempo que não víamos Ló. Nesse período o meu marido recebeu três homens muito distintos que falavam sobre a cidade onde o nosso sobrinho morava. Eu não os conhecia, mas parecia que Abraão sim, porque logo se prostou. Para mim, como sempre, sobrou a preparação de um banquete de última hora.
Fiquei olhando e escutando atrás da tenda e no meio de tantas conversas ouvi um dos homens dizendo para Abraão que a mulher dele iria engravidar. Eu comecei a rir baixinho e pensei: Eles devem ter visto uma das concubinas , que são jovens. E falaram: “ Olha, Abraão a sua mulher irá te dar um filho”.
Não conseguia parar de rir. Só que para o meu desespero, o homem ouviu. Na verdade, eu acho que ele sentiu a minha tristeza e vergonha. Repreendeu a mim e a Abraão dizendo-nos que voltaria para ver o nosso filho.
Até hoje não entendo. Eu engravidei. Eu tive um filho! Um homem: Isaque.
As pessoas falavam que eu rejuvenesci. Eu acho porque não parava de rir.
Todas as lutas, os choros, noites sem dormir foram transformadas em bonança e em calmaria.
Eu e Abraão continuamos nos amando muito. Somos muito agradecidos pelo cumprimento da promessa.
A minha história segue por mais 37 anos aproximadamente. Mas o que eu gostaria de deixar registrado é que Deus nunca falha, a Sua promessa é certa.
O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. A minha noite foi longa, mas a felicidade da minha manhã supera tudo.

Eu amo esse Deus!

Texto produzido por Patricia da Silva de Paula

Nenhum comentário:

Postar um comentário